Exclusivo: Binance movimentou US$ 346 milhões pela exchange cripto apreendida Bitzlato, mostram dados

LONDRES, 24 Jan (Reuters) – A gigante cripto Binance processou quase 346 milhões de dólares em bitcoin para a casa de câmbio digital Bitzlato, cujo fundador foi preso por autoridades dos Estados Unidos na semana passada por supostamente operar um “mecanismo de lavagem de dinheiro”, mostram dados de blockchain vistos pela Reuters.

Em 18 de janeiro, o Departamento de Justiça disse que acusou o cofundador e acionista majoritário da Bitzlato, Anatoly Legkodymov, cidadão russo que vive na China, de operar uma empresa de câmbio de dinheiro não licenciada que “alimentava um eixo de alta tecnologia de crimes criptográficos” ao processar US$ 700 milhões em fundos ilícitos.

A Bitzlato divulgou a frouxidão de suas verificações de antecedentes dos clientes, disse o Departamento de Justiça, acrescentando que, quando a bolsa pedia aos usuários informações de identificação, “repetidamente permitia que eles fornecessem informações pertencentes a registrantes “espantalhos”.

A Binance, a maior exchange de criptomoedas do mundo, estava entre as três principais contrapartes da Bitzlato pela quantidade de bitcoin recebida entre maio de 2018 e setembro de 2022, disse a Rede de Repressão a Crimes Financeiros do Tesouro dos EUA (FinCEN) na semana passada.

A Binance era a única grande exchange cripto entre as principais contrapartes da Bitzlato, disse o FinCEN. Ele disse que os outros que fizeram transações com Bitzlato foram o mercado de drogas darknet em russo Hydra, uma pequena bolsa chamada LocalBitcoins e um site de investimento cripto chamado Finiko, que o FinCEN descreveu como “um suposto esquema Ponzi cripto baseado na Rússia”. O FinCEN não detalhou a escala das interações das entidades com o Bitzlato.

A Bitzlato, registrada em Hong Kong, era uma “principal preocupação de lavagem de dinheiro” relacionada ao financiamento ilícito russo, acrescentou o FinCEN. Ele proibirá a transmissão de fundos para Bitzlato pelos EUA e outras instituições financeiras a partir de 1º de fevereiro. Disse o FinCEN. Não nomeou a Binance ou outras empresas individuais entre as sujeitas à proibição.

Um porta-voz da Binance disse por e-mail que “forneceu assistência substancial” à aplicação da lei internacional para apoiar sua investigação sobre Bitzlato. A empresa está comprometida em “trabalhar em colaboração” com as autoridades, acrescentaram, recusando-se a dar detalhes sobre suas negociações com a Bitzlato ou a natureza de sua cooperação com essas agências.

Bitzlato, cujo site afirma ter sido apreendido pelas autoridades francesas, não foi encontrado pela Reuters. Legkodymov não fez nenhum comentário público desde sua prisão em Miami na semana passada e não respondeu aos pedidos de comentário por e-mail.

Um advogado do fundador da Finiko, Kirill Doronin, disse que a declaração do FinCEN foi “infeliz para ele, pois ele continua esperando o retorno da criptomoeda aos investidores das pessoas que a roubaram”. Doronin não usou cripto dos investidores enquanto Finiko estava operando, disse o advogado Dmitry Grigoriadi.

O operador da Hydra, que foi indiciado nos Estados Unidos no ano passado, não respondeu aos pedidos de comentário.

A LocalBitcoins, com sede na Finlândia, disse que nunca teve “qualquer tipo de cooperação ou relacionamento” com a Bitzlato. Alguns traders peer-to-peer (P2P) da LocalBitcoins “também estariam negociando no mercado P2P da BitZlato”, disse, acrescentando que “praticamente não houve transações entre LocalBitcoins e BitZlato desde outubro de 2022”.

A Reuters não tem evidências de que as transações da Binance, LocalBitcoins ou Finiko com a Bitzlato, que o Departamento de Justiça descreveu como um “paraíso para produtos criminais e fundos destinados ao uso em atividades criminosas”, violaram quaisquer regras ou leis.

No entanto, um ex-regulador bancário dos EUA e um ex-funcionário da lei disseram que o status da Binance como uma das principais contrapartes focaria a atenção do Departamento de Justiça e do Tesouro dos EUA nas verificações de conformidade da Binance com a Bitzlato.

“Eu não diria que foi um tiro de advertência, eu chamaria de míssil guiado”, disse Ross Delston, um advogado americano independente e ex-regulador bancário que também é testemunha especialista em questões de combate à lavagem de dinheiro, referindo-se a Citação do FinCEN de Binance e LocalBitcoins.

O Departamento de Justiça e o FinCEN se recusaram a comentar.

A Binance movimentou mais de 20.000 bitcoins, no valor de US$ 345,8 milhões no momento em que foram transacionados, em cerca de 205.000 transações para Bitzlato entre maio de 2018 e seu fechamento na semana passada, de acordo com uma revisão de dados não relatados anteriormente. Os números foram compilados pelo principal pesquisador de blockchain dos EUA, Chainalysis, e vistos pela Reuters.

Bitcoin no valor de cerca de US$ 175 milhões foi transferido da Bitzlato para a Binance naquele período, tornando a Binance sua maior contraparte receptora, mostram os dados.

Cerca de US$ 90 milhões do total de transferências ocorreram após agosto de 2021, quando a Binance disse que exigiria que os usuários apresentassem identificação para combater o crime financeiro, de acordo com os dados da Chainalysis, que se recusou a comentar. Essas verificações, disse a Binance em um blog no ano passado, abordam “o financiamento e a lavagem de dinheiro de atividades ilícitas”. A Reuters não conseguiu determinar se a Binance impôs seus requisitos de identificação com a Bitzlato.

MERCADO DARKNET

A Chainalysis, que é usada pelas autoridades dos EUA para rastrear fluxos ilícitos de criptomoedas, alertou em fevereiro do ano passado que o Bitzlato era de alto risco. Em um relatório, a Chainalysis disse que quase metade das transferências da Bitzlato entre 2019 e 2021 foram “ilícitas e arriscadas”, identificando quase US$ 1 bilhão em tais transações.

A ação dos EUA contra Bitzlato ocorre quando o Departamento de Justiça investiga a Binance por possível lavagem de dinheiro e violações de sanções. Alguns promotores federais concluíram que as evidências coletadas justificam a apresentação de acusações contra executivos, incluindo o fundador e CEO Changpeng Zhao, informou a Reuters em dezembro.

A Reuters não conseguiu estabelecer se as negociações da Binance com a Bitzlato estão sob revisão.

A Binance, que não revela a localização de sua bolsa principal, processou pelo menos US$ 10 bilhões em pagamentos para criminosos e empresas que buscam fugir das sanções dos EUA, descobriu a Reuters em uma série de artigos no ano passado com base em dados de blockchain, tribunais e registros da empresa.

O relatório também mostrou que a Binance manteve intencionalmente controles fracos contra a lavagem de dinheiro e conspirou para fugir dos reguladores nos Estados Unidos e em outros lugares, de acordo com ex-executivos e documentos da empresa.

A Binance contestou os artigos, chamando os cálculos de fundos ilícitos de imprecisos e as descrições de seus controles de conformidade “desatualizadas”. A bolsa disse no ano passado que está “impulsionando os padrões mais elevados da indústria” e que está buscando melhorar sua capacidade de detectar atividades ilegais de criptografia.

Tanto a Binance quanto a Bitzlato eram contrapartes significativas do Hydra, o maior mercado de drogas darknet do mundo. O site em russo foi fechado pelas autoridades americanas e alemãs no ano passado. O Departamento de Justiça disse que a Bitzlato trocou mais de US$ 700 milhões em cripto com a Hydra, diretamente ou por meio de intermediários.

Em um artigo publicado em junho passado, a Reuters revisou dados de blockchain que mostraram que compradores e vendedores da Hydra usaram a Binance para fazer e receber pagamentos criptográficos no valor de cerca de US$ 780 milhões entre 2017 e 2022. Um porta-voz da Binance disse na época que o número da Hydra era “impreciso e exagerado.”

Reportagem de Tom Wilson e Angus Berwick em Londres; Edição de Elisa Martinuzzi e Louise Heavens

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Leave a Comment