Kremlin: liderança da Ucrânia pode ‘acabar com o sofrimento’ atendendo às demandas russas

  • Este conteúdo foi produzido na Rússia, onde a lei restringe a cobertura das operações militares russas na Ucrânia.

MOSCOU, 24 de novembro (Reuters) – O Kremlin negou nesta quinta-feira que seus ataques à rede elétrica da Ucrânia visassem civis, mas disse que Kyiv poderia “acabar com o sofrimento” de sua população atendendo às demandas da Rússia para resolver o conflito.

As repetidas barragens de mísseis contra a infraestrutura de energia em toda a Ucrânia nas últimas semanas forçaram milhões de pessoas a ficar sem luz, água ou aquecimento por horas ou dias seguidos, assim como as temperaturas externas caem abaixo de zero.

Mas o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres que “não houve ataques contra alvos ‘sociais’ e não há nenhum – atenção especial é dada a isso”.

“Quanto aos alvos direta ou indiretamente relacionados ao potencial militar, eles estão sujeitos a ataques”, disse ele.

Peskov foi questionado sobre como o sofrimento da população civil da Ucrânia poderia ser conciliado com as posições do presidente Vladimir Putin. Putin disse que a Rússia não deseja destruir a Ucrânia ou seu povo.

“A liderança da Ucrânia tem todas as oportunidades para trazer a situação de volta ao normal, tem todas as oportunidades para resolver a situação de forma a cumprir os requisitos do lado russo e, consequentemente, acabar com todo sofrimento possível entre a população.”

Reportagem da Reuters; Edição de Alex Richardson

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Leave a Comment